martes, 5 de novembro de 2019

Se marchassem as nuvens veriamos a Lua

Se marchassem as nuvens
veriamos a Lua
e a choiva que nos aterece polo caminho
seria um recordo dum tempo recente
no que a linguagem era só uma olhada,
um sorriso ou um balbucio

Se marchassem as nuvens
veriamos a Lua
e os nossos pensamentos voariam
cara o infinito ceo estrelado
e o teu cantarujar
agromaria pequenas flores neste Outono

Se marchassem as nuvens
veriamos a Lua
e centos de luzecús dançantes
ficariam imóveis no ar
namentres o voo da curuja
guiaria o nosso assombro cara o Além

Escrito entre Trelherma e Chantada os dias 4 e 5 de novembro de 2019
sobre uns versos de Luz de caminho a casa...

martes, 29 de outubro de 2019

Zoa o vento, namorado vou

Levei-te amiga, nas nove ondas
Ula dorna antiga que leva as novas?
Zoa o vento, namorado vou

Levei-te senhora, nas augas mornas
Ulos doces cantos que no ar soam?
Zoa o vento, namorado vou

Levei-te e sonhei-te, na noite tuda
Ula branca lua sempre teimosa?
Zoa o vento, namorado vou

Levei-te e mirei-te, na ialba nova
Ulo olhar teu, feiticeiro que amossas?
Zoa o vento, namorado vou

xoves, 21 de febreiro de 2019

Dez anos...

na tua honra
tomarei uma cunca
uma vez mais

xoves, 19 de xullo de 2018

Filhos da Ira

Lixo nuklear

Lixo nuklear
Carne putrefacta
Mutaçóns genéticas
Ialmas adoecidas

Ferros retortos
Tubos oxidados
Dessoantes alaridos
Baixo abóbadas de canhom

Violência nas ruas
Que suam sangue
De insetos mutados
Baixo um sol radioativo

* * *

Os vermes da voragem

No negro lamacento rio
Arrodeados de enferrujadas árvores
Som nados entre tortuosos espasmos
Os vermes da voragem

Hipócritas defensores
De velhas leis feitas
Pra nom serem cumpridas
Por quem agarima a balança

Mentes infectas
Pola luxúria dum manhã milhor
Nom olham o pressente
De vergonhas e de infâmias

Vejo nos valeiros olhos
De zumbis cans traidores
Que uma vez rematado o trabalho
Eles seram os seguintes

* * *

Ritual de morte e destruçom

Cheira esta manhã
A carburantes e explosivos
Que fenderam as caveiras
De pequenas inocentes

Começa já o ritual
Da morte e da destruçom
Olhemos o derradeiro solpor
Das livres e as utópicas

No profundo
Ossos, carne pútrida
E tudos os sonhos
Soterrados em napalm e fósforo

* * *

A ladainha do Cantor

* * *

As ratas da apokalipse

Nom há já lua nim estrelas
A noite alumea cum verde fulgor
Já nas cloacas se mergulham
As ratas da apokalipse

Aqueles que sobrevivem
O extermínio seletivo
Inhumana condiçom
A que inala o tóxico

Na iauga fétida
Onde o chapapote residual
Fai ilhas de eivados vermes
Bebem as nossas crianças

Quem teme á Morte
Se nós somos o inimigo
E Ela a salvaçom?

* * *

Orko-Anarkia

Agitam se sigilosas
Na noite de sangue derramada
As blasfemas criaturas do Abismo
Rugem com atávicos sons
Kamikazes nadas no abandono
Ilhadas de tuda esperança
Ate o derradeiro alento

Ocupaçom
Resistência
Kobolds
Orgiástiko

* * *

A derradeira viagem

Escuitas os motores
E cheiras o combustível?
É a derradeira viagem
Logo de saltarmos em mil pedaços

Acaso tinhamos outra opçom
Depois da amarga derrota
Decênios atrás, das nossas devanceiras?

Seja este cascalho o nosso Medúlio…

luns, 26 de marzo de 2018

Na memória do esquecimento

Hoje vim nos olhos
De velhas enrugas geladas
Baixo as negras pólas
De árvores aterecidas
O inexorável

Lembranças
Tudas murchas já
Na memória do esquecimento
Um lento caminhar
A vida um suspiro

mércores, 21 de marzo de 2018

Sexta revelaçom

Quedos do nom
Valeiro golpeando velho sem luz
Antigo no que das mudas bágoas
Sons
Estância que caida atravessa ruas que rasga
Se percebo noite

venres, 16 de marzo de 2018

Invernia

A noite de nuvens de chumbo,
o vento frio e a neve
caem sobor o sendeiro inescrutável
a negrume da fraga agarda por mim

A invernia bem se nota
nas cansas árvores
e nos escrutadores olhos
dum moucho velho

Hai tempo já
que os lobos cheirarom
a minha presença,
o meu silandeiro canto

O dragom que segue a durmir
co seu lene lume ancestral
entre as pedras dalém da cordura
agarda polo espertar derradeiro